quinta-feira, agosto 18, 2022
No menu items!
spot_img
InícioBrasilMP-AM pede prisão do prefeito de Manaus por suspeita de fraude em vacinação

MP-AM pede prisão do prefeito de Manaus por suspeita de fraude em vacinação

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) pediu a prisão de David Almeida (Avante), prefeito de Manaus, por suspeita de favorecimento na vacinação contra o novo coronavírus. A ação foi apresentada ao Tribunal de Justiça do estado (TJ-AM) na última segunda-feira (25). Por se considerar incompetente para julgar o caso, o TJ enviou a ação para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Conforme o MP, dez médicos foram nomeados por Almeida para cargos de gerentes de projetos, no entanto, o órgão alega que o intuito seria o de beneficiar o grupo que teria “ligações políticas e econômico-financeiras de apoio político e eleitoral ao atual prefeito”. Esses profissionais recebem remuneração de cerca de R$ 9 mil.

Para o MP, como profissionais da saúde integram o grupo prioritário para vacinação, as contratações causam “a forte impressão de que a corrida para a formalização dos cargos ocorreu exatamente coincidindo com o momento [início da aplicação] das vacinas”. Os médicos foram nomeados nos dias 18 e 19 de janeiro deste ano.

Ainda conforme o órgão, teriam sido vacinados indevidamente na capital do Amazonas um empresário, a esposa dele, um advogado, secretários de Saúde, Limpeza e da Mulher Assistência Social e Cidadania, além de um subsecretário de Saúde, um advogado e assessor e o assessor II, ambos também da Saúde.

De acordo com o Ministério Público, nenhum dos servidores citados no ofício integra o grupo prioritário, uma vez que não atua na linha de frente do combate à doença. Eles também não são idosos. Para o MP, o caso é configurado como crime de peculato (desvio de dinheiro).

Em nota, David Almeida afirmou que está “profundamente indignado” com a ação, a qual considerou como “ilegal e arbitrária”. Ele ainda afirmou que irá entrar com “medidas cabíveis” contra os responsáveis pela investigação.

“Não há o menor indício de desvio de recursos públicos, ato lesivo ao erário ou repercussão criminal”, alegou.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular