sábado, agosto 13, 2022
No menu items!
spot_img
InícioBahiaEmpresários presos em operação contra fraude em venda de respiradores são soltos

Empresários presos em operação contra fraude em venda de respiradores são soltos

Os três presos na Operação Ragnarok em Salvador foram soltos na noite da sexta-feira (5). A ação investiga a empresas que venderam respiradores ao Consórcio Nordeste, mas não entregou. A prisão deles era temporária, com prazo de cinco dias, e não foi prorrogada.

A dona da empresa Hempcare, Cristiane Prestes, e o sócio, Luiz Henrique Ramos, foram presos em Brasília, mas chegaram a Salvador na segunda (2) para prestar depoimento à polícia. Ambos foram ouvidos na sede da Coordenação de Operações Especiais (COE).

O empresário Paulo de Tarso foi preso no Rio e trazido para Salvador somente na quinta-feira (4). Ele também seguiu para a sede do COE para ser ouvido pelos investigadores.

A Polícia Civil deve divulgar mais detalhes do caso na semana que vem. O conteúdo do depoimento do trio não foi informado. Também não há informação sobre os R$ 48,7 milhões que a empresa recebeu pelos respiradores. A Bahia tenta recuperar R$ 9,6 milhões investidos nos produtos não entregues.

Sem registro
As empresas Hempcare e Biogeoenergy, investigadas por fraude na compra de respiradores pelo Consórcio Nordeste – grupo formado pelos nove estados da região -, não têm registro na Anvisa. O próprio órgão foi quem fez o anúncio, na manhã desta terça-feira (2).

O Consórcio investiu R$ 48 milhões e comprou 300 respiradores, que não foram entregues. A Hempcare fez as negociações da venda, enquanto Biogeoenergy, que foi inserida ao longo do processo de negociação, seria a suposta fabricante dos equipamentos.

Em nota, a Biogeoenergy já tinha dito que não havia respiradores prontos para comercialização pois a certificação da Anvisa não tinha saído. Segundo a empresa, foram feitos testes que garantiram a qualidade do equpamento. O grupo também falou que aguardava trâmites burocráticos do órgão federal. Já a Hempcare anunciou que o registro seria feito apenas pela Biogeoenergy, já que ela seria a fabricante dos respiradores.

Contudo, a Anvisa informou que não havia sido localizado o protocolo de submissão para solicitação de registro de ventiladores pulmonares por parte das empresas. Isso significa que, segundo o órgão, não há qualquer tipo de trâmite, protocolo que seria o primeiro passo a certificação de um produto.

O Secretário de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Maurício Barbosa, já tinha anunciado, durante coletiva de apresentação do caso, após a Operação Ragnarok, realizada na segunda-feira (1º), que os respiradores não tinham sido homologados pela Anvisa.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular